quarta-feira, 4 de abril de 2018

Eucaristia ou Santa Ceia? Hóstia ou Pão? Suco de Uva ou Vinho? e Porque isso?


Isso é coisa da Igreja Católica! é o que geralmente escuto, ou aparece alguns mais discretos e perguntam: Por quê não usar pão e suco de uva?
Eucaristia em grego: εὐχαριστία significa: "reconhecimento", "ação de graças" é uma celebração da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Também é denominada de Sagrada Comunhão, Santa Ceia do Senhor, a Refeição Noturna do Senhor e a Celebração da Morte de Cristo. Santa Ceia ou Eucaristia, o significado é o mesmo. Levar a igreja de Cristo a lembrar do sacrifício de Cristo por nós. Um momento especial onde celebramos com gratidão a Deus pela salvação.

Primeiro, é bom que esclarecer as nomenclaturas Santa Eucaristia e Santa Ceia. "Pois recebi do Senhor o que também lhes entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse: "Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim". Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: "Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim". Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha." 1 Coríntios 11:23-26


A Igreja Católica, considera a Eucaristia que na Santa Ceia acontece a transubstanciação é o momento em que o sacerdote repete as palavras de Cristo (1 Coríntios 11:23-26).  "Isto é o meu corpo", "isto é o meu sangue". Acredita-se que o pão e o vinho são "transformados" no Corpo e no Sangue de Cristo, apesar de continuar vendo pão e vinho o católico crer no mistério da transformação.
A Igreja Evangélica realiza a Santa Ceia do Senhor, mas algumas denominações apegam-se a à frase: "fazei isto em memória de mim", não se crê na transubstanciação, mas é apenas um memorial, simbolismo, geralmente usa-se suco de uva. 

Para a Igreja Episcopal Carismática, fazer memória não significa apenas recordar o passado, mas atualizar, tornar presente a Ceia que Jesus celebrou com seus discípulos. Não cremos na transubstanciação mas acreditamos no mistério que algo físico influência o espiritual. 

Pão ou Hóstia? Hóstia palavra que vem do latim (hostia) quer dizer vítima. A Igreja primitiva teve o entendimento de usar este nome para o pão, referindo-se a Jesus, que se deixou imolar, ser vitima para a nossa salvação.

A hóstia (ou partícula), é um pão sem fermentação e cortado forma regular (circulo). Antes no começo da Igreja, era feito de forma artesanal cortados a mão, algumas denominações permanecem com esta tradição. Hoje já existem máquinas que fazem todo esse trabalho.

O que é interessante ressaltar é que a Hóstia utilizada na Igreja Episcopal, faz referência ao pão ázimo da ceia dos judeus antes da libertação.

No período de escravidão no Egito, o povo Hebreu (Judeu), naturalmente tinha costumes diferentes dos de hoje. As mulheres judias faziam o pão e colocavam para fermentar durante a noite. Porém, na noite em que o povo foi liberto através de Moisés, tiveram que deixar o Egito rapidamente, meio que às pressas, e não daria tempo do pão fermentar e por isso, foi levado sem fermento (chamado de pão ázimo, ou asmo). A partir desse episódio, todos os anos o povo Hebreu comemorava a libertação da escravidão do Egito com uma festa. (A Páscoa Judaica) e nessa comemoração, comiam o pão sem fermento.

Jesus, que era judeu estava comemorando a Pascoa, que para os Judeus é o memorial do agir sobrenatural de Deus sobre a libertação das mãos de faraó, Jesus participou de todo o ritual, mas acrescentou a "nova aliança", modificou o significado, foi quando Ele instituiu a 
Eucaristia (ou Santa Ceia do Senhor) junto com seus doze apóstolos, comeu o mesmo pão sem fermento e bebeu o vinho, dizendo que aqueles representavam seu corpo e seu sangue...

Por esse motivo, lembrando a libertação (física e espiritual) a Igreja Episcopal utiliza a hóstia (pão sem fermento) e o vinho, da mesma forma que o Nosso Senhor Jesus, utilizou!
Algumas Paróquias atualmente estão utilizando o suco de uva integral sem diluição, pensando nos irmãos que um dia foram escravos do alcoolismo. Entendendo que a Ceia é um ato de gratidão, como também é uma aliança espiritual. Então não faz sentido um sacramento trazer desejos que levem o irmão a pecar. A Eucaristia deve nos aproximar de Deus e não do pecado.

Após a Reforma Protestante surgiu um idealismo onde devemos abandonar toda a tradição, liturgia ou qualquer coisa que se assemelha a Igreja Católica. Por isso substituiu a hóstia (ou partícula) por pão normal cortado em pequenos pedaços, e o cálice abolido de vinho, trocado pequenos copos com suco de uva. Trazendo apenas a referência de memorial, não mais um ritual, uma aliança...

Infelizmente a maioria das Igrejas Evangélicas no Brasil, abominam a hóstia e o vinho, por não conhecerem a historicidade do Cristianismo e da Santa Ceia do Senhor. "Meu povo foi destruído por falta de conhecimento..." Oséias 4:6

A grande tristeza é que os Evangélicos estão mais preocupados em ser diferentes na aparência e nas liturgias pseudo "católica", mais do que servir a Deus conforme as Escrituras Sagradas e as tradições da Igreja Primitiva.
Vale salientar que a Igreja Episcopal Carismática do Brasil é uma Igreja Genuinamente Evangélica, mas a forma de ser não é engessada, somos livres! Entendemos que a liturgia da Igreja é para servir ao povo, não o povo servir a liturgia, por isso podemos utilizar o pão ou não, hóstia ou não, vela ou não, vinho ou suco de uva... entendendo as necessidades da Igreja no culto ou algum evento.

Somos assim: Damos a segunda chance, exercemos a misericórdia, não subestimamos as forças do mal, somos autênticos, cometemos erros, pedimos perdão, oferecemos abraços, experimentamos o que é pertencer a família de Deus e nós nos amamos.


Marcel RMSS

Nenhum comentário:

Postar um comentário