sábado, 21 de dezembro de 2013

Natal de Verdade

"E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós” João 1:14
Presépio_.jpg
"E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós” João 1:14

   No próximo dia 25 de dezembro tem-se o o costume de comemorar o Natal, o nascimento do Salvador, do Messias, o Esperado das nações, Aquele que tinha sido anunciado pelos profetas. Esperava-se um homem  glorioso, rei. Mas naquela noite, Jesus veio como Criança e mesmo assim continuou sendo o próprio Deus, mesmo com a nossa forma (humana) provou a humanidade o seu amor.
     Um cenário paupérrimo! O ambiente no qual nasceu o Filho de Deus era sem luxo e nobreza mas aquele que vivia no sobrenatural agora enchia de graça aquele lugar. Lugar simples, agora tomado pelo sobrenatural.
Os pastores, após o aviso dos anjos, correram naquela direção ao encontro do Rei que estava deitado sobre palhas. Abismados pela grandeza dessa cena, que contemplavam também com os olhos da Fé, não tiveram outra atitude senão a da adoração. 
     Lembramos sempre de Deus com poderosas manifestações! O mar se abre, o monte fumega, o fogo cai do céu e reduz cidades a cinzas... Mas quis se apresentar de forma humilde.
     A grandeza divina trocou o trono, o Céu, a Glória por uma gruta! Poderia ter nascido Jesus num palácio e convocado os maiores e poderosos lideres da Terra para prestar-Lhe homenagens? Mas, não! O Verbo preferiu a gruta a um palácio; quis ser adorado por pobres pastores, ao invés de grandes senhores; aqueceu-Se com palha e o calor dos animais. Rejeitou a glória por mim e por você, rejeitou o convívio dos anjos pela humilhação, sofrimento e vergonha!
     Devemos celebrar o Natal com alegria, com luzes e presentes, mas com a simplicidade que de Cristo. Não com consumismo, luxuria do comercio e  mentiras [papai noel]... A festa exige o nosso ser, nossa vida, nosso coração! Não há Natal sem o nascimento de Cristo!
    Se a palavra Natal significa "nascimento", então temos que deixar o menino Jesus nascer em nosso coração. Papai Noel não precisa desaparecer. Mas precisa mudar. Reconhecemos que ele faz gestos humanitários nos hospitais, nas fábricas e escolas, mas ele não salva, não muda vidas, não cura... Não é Deus e nem o serve! 
     O Deus que se fez menino, seja conhecido, amado, seguido e tome a nossa vida e coração como Seu Trono de Glória.


MC. Marcel RMSS