domingo, 7 de junho de 2015

Oração

A conversão de Saulo de Tarso foi tão inesperada que quase ninguém ainda acreditava, mas Deus disse a Ananias: “Dispõe-te, e vai à rua que se chama Direita, e, na casa de Judas, procura por Saulo, apelidado de Tarso; pois ele está orando” (Atos 9.11). Ananias foi e encontrou Saulo em oração. O mesmo deve ser dito de nós. Devemos ser conhecidos como pessoas de oração.

Neste ano, um dos propósitos da Igreja, é Oração. Daí, termos um grupo de Oração, realizarmos vigílias de oração todo mês e lutar em oração, por uma vida cheia do Espírito Santo, frutificando para o Reino de Deus.

Daniel, era conhecido como um homem de oração. Seus adversários tentaram encontrar acusações para fazer contra ele, algo contra o seu caráter ou seu estilo de vida, mas ele estava completamente limpo. E eles sabiam uma coisa sobre Daniel: ele orava todos os dias, três vezes por dia. Quando criaram um decreto real para que ninguém pudesse orar, exceto para o rei, Daniel não parou. Voltou para casa e orou três vezes naquele dia, como de costume. Ele foi fiel em orar, e Deus foi fiel em salva-lo dos leões (ver Daniel 6).

A oração que chamamos de oração do Senhor foi dada em resposta ao pedido dos discípulos, que disseram: “Senhor, ensina-nos a orar” (Lc 11.1). Este deve ser o desejo do coração de cada crente. “Senhor, ensina-me a orar”. A oração eficaz não deve apenas ser o nosso desejo do coração, mas uma característica que define a nossa vida. Vejamos alguns exemplos Bíblicos de homens que oraram e mudaram a situação. Elias orou e o fogo desceu do céu e queimou todo o holocausto; o resultado, foi: “O que vendo todo o povo, caiu de rosto em terra e disse: O senhor é Deus! O Senhor é Deus!” (1 Rs 18.39). Antes, Elias havia orado para que não chovesse em Israel e por três anos e meio, não caiu uma gota de chuva na terra de Israel, no tempo do rei Acab. Após o desafio que ele fez no Monte Carmelo, orou novamente e uma nuvem do tamanho da palma da mão de um homem, trouxe torrencial chuva que inundou a terra (1 Rs 18.41-45). Josué, foi outro homem que orou, diante de situação difícil e Deus atendeu a sua oração, fazendo algo inusitado: O sol parou por quase um dia todo: “… Sol, detém-te em Gibeão e tu, lua, no vale de Aijalom. E o sol se deteve, e a lua parou até que o povo se vingou de seus inimigos. Não está isto escrito no Livro dos Justos? O sol, pois, se deteve no meio do céu e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro” (Js 10.12-13). Estes dois exemplos são suficientes, para que cultivemos uma vida intensa de oração. Paulo disse: “Orai sem cessar” (1 Ts 5.17). Nossa vida de oração deve ser constante e contínua. Oremos com fervor e veremos os resultados.

O próprio Jesus que, embora Deus era também homem, cultivou uma vida de oração. Começou seu ministério em oração e jejum e orava sempre, para se fortalecer contra as investidas do diabo. Da mesma maneira, devemos orar, para vencermos as dificuldades do “Dia mau”, que sempre nos acompanha e persegue. Oremos mais, jejuemos mais, vigiemos mais e assim, seremos vencedores por Cristo.