sexta-feira, 1 de maio de 2015

Eu Sou o Pão da Vida

"Eu Sou o Pão" João 6:48


Se existe um alimento conhecido e consumido em quase todos os lugares do mundo, é o pão. Provavelmente você deve ter comido pão hoje. O pão é fabricado a partir da farinha, amassada, fermentada e cozida no forno. As farinhas mais utilizadas são as de trigo, centeio e milho, originando diferentes tipos de pão segundo as misturas feitas e o grau de peneira das farinhas.
Esse alimento é um excelente fornecedor de fibra, de alguns minerais (ferro e cálcio) e vitaminas (complexo B) e, principalmente, hidratos de carbono complexos, necessários para fornecer energia e manter o bom funcionamento do organismo.

Devemos atribuir aos antigos egípcios a primazia no uso do fermento para a fabricação do pão.

Na Bíblia, a palavra PÃO (em hebraico = lechen) é muito mencionada e significa, em termos gerais, “alimento” ou “sustento”. Esse vocábulo aparece mais de 280 vezes no Antigo Testamento, desde Gênesis 3:19 até Malaquias 1:7. No Novo Testamento, o termo grego usado para pão é ártos e ocorre 97 vezes, desde Mateus 4:3-4 até Apocalipse 20:2. O pão fazia parte da alimentação diária dos antigos.
Por exemplo:
·         Sara apressou-se para preparar pão aos visitantes (Gn 18:1-6).
·         Aos trabalhadores no campo, o pão era dado como alimento (Rt 2:14).
·         Nas campanhas militares, servia-se pão também aos soldados (1Sm 16:20).
·         Os viajantes levavam pão para as viagens (Gn 21:14;  45:23; Jz19:19).
·         Jesus multiplicou pães e peixes (Mt 14:13-21).
·         Era costume do líder ou do chefe de uma família iniciar a refeição tomando um pão e dando graças ao Senhor. Em seguida, ele partia o pão e o distribuía entre os membros de sua família, algo que foi imitado por Jesus na cerimônia da Ceia (Mt 26:26).

No capítulo 6 do evangelho de João, Jesus faz uso de um simbolismo, identificando-Se com a necessidade humana do alimento chamado pão e conectando essa necessidade física com a necessidade espiritual da força, do ânimo, da Sua presença e proteção constante sobre nós. Então, Ele declara solenemente e com toda a autoridade que lhe convém:
Ø  “Eu sou o Pão da Vida” (João 6:48).
Ø  “Eu sou o Pão que desceu do Céu” (João 6:51)

Nesses dois textos e no restante do capítulo, Jesus usa a figura, o quadro, a ilustração de comer e beber, para representar o tipo de amizade e estreitamento que Seus filhos, os cristãos sinceros, devem desfrutar. Quando cremos e recebemos as palavras do Senhor Jesus como alimento físico, elas se convertem em uma parte de nossa vida espiritual, trazendo luz, paz, esperança e gozo, fortalecendo a alma, assim como o alimento material fortalece o corpo. Não é suficiente conhecer e respeitar as palavras das Escrituras. Devemos penetrar na compreensão das mesmas. Devemos estudá-las ardentemente, comendo e digerindo o Pão da Vida, revelando assim um caráter simétrico ao mundo (Hb 5:12).

Quando os homens se submetem inteiramente a Deus, comendo o Pão da Vida e bebendo a Água da Salvação, crescem em Cristo. Seu caráter se compõe do que a mente come e bebe.
Eis alguns dos maiores desafios que precisamos transpor nos dias em que vivemos:
·         Um desejo profundo pelas palavras de Cristo;
·         Um tempo maior com estas palavras;
·         Um conhecimento mais profundo das Escrituras;
·         Mais Bíblia em nossa vida, e consecutivamente teremos mais de Cristo também.

Encorajo você a acrescentar em sua “dieta espiritual” mais deste Pão, o Pão do Céu, o Pão da Vida: Jesus Cristo. Ele é o caminho certo para a sua Salvação. O alimento certo para sua Alma!


Marcel RMSS

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Eu Sou a Luz do Mundo

“Eu sou a Luz do Mundo” João 8.12

A nossa família tem o costume de viajar durante o 
dia, principalmente bem cedinho! Pois para onde formos chegaremos cedo, ou a maior parte da viagem será iluminada pela luz do sol! Existem perigos que naturalmente surgem durante o período escuro do dia.

Da mesma forma, o ser humano corre riscos no que se refere às trevas espirituais e morais. Hoje vamos meditar um pouco que fala de Luz: “Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá luz da vida”.

I - EXPLICAÇÃO DE JOÃO 8:12
a. Nessa passagem, Jesus faz Sua afirmação fundamental: “Eu sou a luz do mundo”. E é muito provável que o ambiente no qual Jesus pronunciou essa frase a tenha feito particularmente eloquente e impressionante.

b. João relaciona esses discursos e discussões com a festa dos tabernáculos (João 7:2). 

c. Nela, temos as afirmações de Jesus a respeito de que Ele daria aos homens a água viva.

d. Mas havia outra cerimônia relacionada com essa festa. No entardecer do primeiro dia da festa, havia uma cerimônia chamada a Iluminação do Templo. Acontecia no pátio das mulheres.

e. O pátio estava rodeado por profundas galerias, construídas para dar localização ao público.

f. No centro do pátio, preparavam-se quatro grandes candelabros.

g. Quando chegava o anoitecer, os candelabros eram acesos.

h. E, conforme se contava, os candelabros enviavam um resplendor tão claro por toda a Jerusalém, que todos os pátios da cidade ficavam iluminados por seu brilho.

i. E depois, durante toda a noite, até o cantar do galo na manhã seguinte, os homens mais destacados, mais sábios e mais santos de todo o Israel dançavam perante o Senhor.

j. E entoavam salmos de alegria e de louvor a Deus enquanto o povo os observava.

k. De maneira que, durante a festa dos tabernáculos, o resplendor das luzes do templo iluminava a cidade e transpassava a escuridão de suas praças, pátios e ruas.

l. O que Jesus diz é o seguinte: “Viram que o resplendor das luzes do templo atravessa a escuridão da noite”.

m. Eu sou a Luz do mundo – para o homem que me seguir, haverá luz, não só durante uma noite de festa, mas também durante todo o trajeto de sua vida.

n. A luz do templo é brilhante, mas ao final se debilita e desaparece. Eu sou para os homens a luz que permanece para sempre.


II - O QUE APRENDEMOS DESSA PASSAGEM BÍBLICA?

1. Jesus Cristo é a verdadeira luz.
a) A humanidade teve grandes figuras cheias de sabedoria, verdadeiros gênios, porém ninguém como Jesus. (Sócrates, Platão, Nilton, Santos do Dumont, Robert Kahn – internet, Thomas Edison – Lâmpada)

b) Cristo é luz não emprestada, não derivada. Ele é a fonte da luz.

c) Como o Sol, o Senhor Jesus não reflete a luz de outrem. Ele é a luz e ponto final.

2. A luz nos traz segurança. 
a) A noite é um tempo de perigo. Os ladrões geralmente vêm à noite. A luz do dia nos dá uma liberdade de movimento que não temos nas trevas. (não enxerga)

b) Da mesma forma, Jesus disse que quem o segue não andará em trevas. Isto quer dizer que essa pessoa terá segurança em cada passo que der na vida.

3. A luz elimina a ignorância.
a. O que podemos ver quando estamos no escuro? Nada!

b. Mas quando a luz surge, nossa visão muda! (totalmente). Aquilo que estava envolvido nas trevas vem à tona como realmente é. Tudo se esclarece.

c. Assim, diante da luz (Jesus), nossa vida muda. Até a percepção que temos de nós mesmos se transforma.

d. Nossos desejos e interesses passam a ser outros.

e. Olhamos a vida de uma forma nova e diferente e lembramo-nos do passado com um espírito de amor e perdão.

4. Jesus, a luz, é também vida. 
a. O texto fala de “luz da vida”. Sem vida, não existe nenhuma luz.

b. Deus é o Pai das luzes desde a menor até a maior, seja física, mental ou espiritual.

c. O seguidor de Cristo tem a luz dEle, que é a vida.

d. Essa luz produz vida e a mantém. A vida no seu melhor sentido, que a vida com Deus.

5. A luz é para ser anunciada. 
a. Se Cristo é a vida, se Cristo é a luz da vida e, se com Cristo, as trevas morais e espirituais são dissipadas, temos que anunciar isso.

b. Por isso Jesus disse: “Vós sois a luz do mundo”.

Conclusão:
a. A luz de Cristo não se apaga com os tufões, chuvas, nem apagões da vida.

b. Essa luz não desgasta com o tempo. O combustível que a mantém acesa provém da eternidade. É, portanto, luz que jamais se apaga.

c. Antes de Deus criar o mundo, o que havia era o caos. Mas, para provar que caos e Deus não combinam, a primeira coisa que Deus criou foi a luz: “Disse Deus: Haja luz; e houve luz” (Gn 1:3).

d. Começa-se dizendo que Deus criou a luz. A Bíblia termina dizendo que a luz de Deus tem duração eterna: “Então, já não haverá noite, nem precisam eles de luz de candeia, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles[...]” (Ap 22:5).

e. Você já pode dizer “o Senhor é a minha luz”?

f. Jesus não é apenas a luz do mundo. Jesus precisa ser a minha e a sua luz. Provamos isso brilhando por Ele.