quinta-feira, 23 de abril de 2015

A Identidade de Jesus

Vivemos um tempo intenso e edificante na Paróquia Betesda. Durante a Quaresma meditamos sobre a verdadeira identidade de Jesus. Gostaria de compartilhar algumas mensagens que ministrei durante este tempo. Que estas mensagens possam ser usadas por Deus para falar ao seu coração. 







A Identidade de Jesus

“35. E, naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes: Passemos para o outro lado. 36. E eles, deixando a multidão, o levaram consigo, assim como estava, no barco; e havia também com ele outros barquinhos. 37. E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia. 38. E ele estava na popa, dormindo sobre uma almofada, e despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não se te dá que pereçamos? 39. E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança. 40. E disse-lhes: Por que sois tão tímidos? Ainda não tendes fé? 41. E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?”
Marcos 4:35-41

Em algum momento você já se perguntou quem é Jesus?
Como Ele era?
O que você pensa dEle?

O interessante é que todos os dias ouvimos pessoas falarem de Jesus com uma intimidade chocante! As pessoas da igreja insistem conosco para que desenvolvamos um relacionamento com Cristo.

Nos cultos, cantamos de Seu Amor, Milagres, Maravilhas... de forma íntima! Chegamos ao ponto de memorizar até os 34 milagres específicos de Sua vida, mas não vivemos o impacto dos milagres. Alguns estão há tanto tempo na casa de Deus e mesmo assim não conheceram de forma real a Cristo.

Uma pesquisa realizada nos EUA, sobre uma perspectiva de como seria Jesus, revelou que 84% dos americanos O consideram como o filho de Deus, e que Ele era sem pecado, corajoso e emocionalmente equilibrado, fisicamente forte, atraente, prático, caloroso e aceitável. O fato é que o mundo moderno descaracterizou a Cristo.

Hoje há uma tentativa de enquadrar Cristo nos padrões do mundo. Algumas dessas tentativas são:

1.      O Jesus Asceta: (Pessoa que possui um modo de vida austero e/ou dedica-se à perfeição espiritual.) essa foi a inspiração para gerações de monges e eremitas. Eles não O veem diferente de João Batista, já que também Se vestia com pele de camelo, usava sandálias ou então andava descalço, mastigava gafanhoto com evidente prazer e, ao mesmo tempo, renunciava aos prazeres da mesa e a desfrutar as alegrias da criação de Deus. Digo a vocês que seria difícil conciliar esse retrato com a crítica de contemporâneos de que “Ele veio comendo e bebendo”.
2.      Jesus, o Pálido Galileu: essa imagem foi perpetuada na arte medieval e em vitrais. Um Jesus com auréola celestial e uma compleição incolor, os olhos voltados para o céu e os pés sem sequer tocar o chão. Uma visão contrastante da ideia de um Jesus fraco, sofredor e derrotado. (impotente no mundo)
3.      Jesus, o Cristo Cósmico: Aqui Ele é apresentado como Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Aquele que domina tudo, que mora no Céu, mas que é alienado do mundo. Vemos aqui um deísmo inveterado. (Acredita em Deus mas não acredita em sua interferência, nem sua autoridade nas práticas religiosas).
4.      O Mestre do Senso Comum: Esse é o Cristo construído pelos iluministas. Um Deus inteiramente humano e nada divino. Ele é simplesmente um mestre moral, um guia popular.
5.      O Festeiro Gospel: Entre os músicos do século atual (que se dizem levitas), temos o Jesus que passa o tempo todo cantando, dançando e em festas. Desta forma, captam algo da jovialidade de Jesus, mas também de alguém que não leva a sério a Sua missão.
6.      O Jesus Cristo Superstar: Esse Jesus é retratado como uma celebridade desiludida. Aquele que entrou em Jerusalém achando que era alguma coisa, mas que no Getsêmani já não tinha tanta certeza assim.
7.      O Jesus Negociador: Esse é o Deus fundador dos negócios modernos. Pinta-se Jesus como um garoto propaganda, bronzeado e musculoso, simpático, jovial e sociável. Apresentam-nO como um líder de ardente comunicação, cuja vida inteira foi uma história de conquistas e realizações e cujos ensinamentos enfatizavam os segredos do sucesso nos negócios.
8.      O Jesus Economista: Pode parecer brincadeira, mas muitos O colocam como um economista político de primeira classe, o qual, entre outras coisas, recomendou a distribuição igualitária.
9.      O Jesus Capitalista: Essa é a imagem de Jesus que promoveu a livre empresa, o investimento e a conservação.
10.   O Jesus Socialista: O Deus dos pobres, sem-terra, sem emprego, que enfrentou os burgueses da época com suas idéias e atitudes.
11.   O Jesus Revolucionário: Fidel Castro (de Cuba) assim O denomina por ter trazido ideias contrárias ao sistema vigente da época, e muitos ainda tentam retratá-lO como tal.
12.   Jesus, o Lutador da Liberdade: Um guerrilheiro urbano. Um “Che Guevara” do primeiro século, cujo gesto mais característico era virar as mesas dos mercadores e expulsá-los do templo com um chicote.
13.   Jesus, o Carpinteiro: é verdade que esta foi sua profissão até os 30 anos. Portanto, Ele poderia ser considerado o Sr. Carpinteiro (O melhor, Esperte), o Jesus da Palestina, mas essa não era a Sua missão.
14.   Jesus, o Mágico: essa é uma forma consciente e moderna de se ver ou analisar livremente os milagres. Os defensores dessa ideia dizem que quando foi para o Egito, Jesus Se tornou especialista em mágica.

São Quatorze formas diferentes de pensar acerca de quem é Cristo! Todas essas são figuras oposta ao verdadeiro Cristo. A principal razão para toda traição ao verdadeiro Jesus é que nós ouvimos com exagerada deferência a moda contemporânea ao invés de escutarmos a Palavra de Deus.

Não foi diferente com os discípulos. Em meio à idolatria que O cercava no caminho para Cesárea de Felipe, diante de altares ao deus Pan, Jesus questiona: “Quem diz o povo ser o Filho do Homem?” (Ler Mateus 16: 13-17) Ele mesmo faz uma autodescrição de quem Ele é. Não precisamos recorrer aos biógrafos seculares para entender Sua real identidade.

Ele mesmo mostra as Suas credenciais ao dizer “EU SOU”
·         EU SOU Deus – para o incrédulo, idólatra
·         EU SOU a luz do mundo – para os que estão nas trevas do pecado
·         EU SOU o pão da vida – para os que têm fome
·         EU SOU a água da vida – para os que têm sede
·         EU SOU a videira verdadeira – para aquele que deseja produzir bom fruto
·         EU SOU o caminho – para o desorientado
·         EU SOU a verdade – para o cético (o racional = quem não se envolve com o espiritual)
·         EU SOU o bom pastor – para a ovelha perdida e que está longe do aprisco
·         EU SOU o Salvador – para os que estão sem esperança
·         EU SOU a ressurreição e a vida – para os mortos e os que têm medo da morte
·         EU SOU Santo – para o que é impuro e pecador
·         EU SOU o Alfa e o Ômega – para os ansiosos Ele ainda continua a perguntar: “Que pensais vós de Cristo?”


Quando temos uma visão clara de quem é Cristo, Deus revela melhor os Seus planos, e a identidade de Cristo é implantada  em nós. A esse processo chamamos de justificação. Durante este ano, na última quarta-feira de cada mês, teremos um vislumbre verdadeiro da caracterização que a Palavra de Deus faz acerca de Jesus Cristo. Você não pode perder. Você não pode deixar de conhecer o Grande EU SOU.

Nenhum comentário:

Postar um comentário